Soldado israelense continua em Gaza, diz líder do Hamas

O soldado israelense Gilad Shalit, de 19 anos, seqüestrado por militantes palestinos no dia 25 de junho, permanece na Faixa de Gaza, declarou o líder exilado político do Hamas, Khaled Meshal, em entrevista publicada, no sábado, no jornal egípcio Al-Ahram. A informação foi publicada nesta segunda-feira no site do diário israelense Haaretz."Gaza está totalmente cercada. Como os militantes do Jihad Islâmica poderiam tirá-lo de lá?", indagou Meshal.Segundo o Haaretz, o líder pediu a troca de prisioneiros entre Israel e o Hamas argumentando que Shalit não foi seqüestrado, mas está sendo mantido como prisioneiro de guerra.Para Israel, Meshal, que vive na Síria, foi o cérebro por trás da ação que resultou na captura do soldado. O líder palestino disse que o Hamas não autoriza a Autoridade Nacional Palestina (ANP) assumir a frente da negociação com Israel porque, segundo ele, o problema dos prisioneiros palestino é um problema de todos os membros da nação e todos são responsáveis por sua libertação. Já o Hezbollah, cujos militantes seqüestraram dois soldados israelenses dando o estopim para o atual conflito no Líbano, permitiu que o governo libanês assumisse as conversações com Israel. Ainda segundo o jornal israelense, Meshal negou a existência de um acordo entre a ANP e as várias milícias palestinas sobre as negociações de cessar-fogo. Israel lança panfletos sobre Gaza O exército israelense jogou panfletos sobre a Faixa de Gaza nos quais diz que, se o soldado Gilad Shalit for libertado e se os ataques das milícias contra Israel pararem, irá acertar um cessar-fogo, informaram testemunhas.Na mensagem, as forças armadas de Israel asseguram que um cessar-fogo é possível caso o soldado seja entregue são e salvo e os lançamentos de foguetes Qassam forem suspensos."Nos últimos dias", diz a mensagem, "atacamos os terroristas e seus colaboradores que escondem armas e foguetes. Estes ataques continuarão enquanto continuarem os lançamentos de foguetes e Gilad Shalit não voltar".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.