Soldado mata 3, fere 16 e comete suicídio em base militar no Texas

O soldado, que estava em tratamento para depressão e ansiedade, entrou em dois edifícios da base e abriu fogo antes de ser confrontado pela polícia do Exército

Reuters

03 de abril de 2014 | 08h04

FORT HOOD - Um soldado norte-americano com problemas de saúde mental matou a tiros três pessoas e feriu pelo menos 16 antes de se matar, na quarta-feira, em uma base do Exército em Fort Hood, Texas, local de outro ataque semelhante em 2009, disseram autoridades militares dos Estados Unidos.

O soldado, que estava em tratamento para depressão e ansiedade, entrou em dois edifícios da base e abriu fogo antes de ser confrontado pela polícia do Exército, disse o comandante de Fort Hood, general Mark Milley.

O atirador, cujo motivo ainda é desconhecido, depois deu um tiro na própria cabeça com uma pistola calibre 45, disse o comandante.

"Neste momento não há nenhum indício de que este incidente esteja relacionado com o terrorismo", disse Milley em entrevista coletiva.

Esse é o terceiro caso de tiroteio em uma base militar dos Estados Unidos em cerca de seis meses, que, juntamente com uma série de casos semelhantes em locais públicos, tais como escolas e shoppings, provocaram um debate nacional sobre os regulamentos de controle de armas.

Autoridades de segurança disseram que informações preliminares identificaram o atirador como Ivan Lopez.

O atirador serviu durante quatro meses no Iraque em 2011, segundo Milley, e estava passando por avaliação para estresse pós-traumático. Ele chegou a Fort Hood, uma das maiores bases do Exército dos EUA, em fevereiro vindo de outra instalação militar.

O presidente dos EUA, Barack Obama, disse ter ficado "com o coração partido" ao ser avisado sobre o incidente na base de Fort Hood. "Nós vamos chegar ao fundo do que exatamente aconteceu", disse Obama. "Estamos com o coração partido que algo como isso possa ter acontecido de novo."

O caso trouxe de volta as lembranças da violência de 2009 em Fort Hood, quando um ex-psiquiatra do Exército matou 13 pessoas e feriu outras 32. O major Nidal Hasan gritou "Allahu Akbar", expressão em árabe que significa "Deus é maior", durante o ataque e depois disse que queria se tornar um mártir. Ele foi condenado à pena de morte e aguarda uma injeção letal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.