Soldados americanos matam duas mulheres; uma grávida

Soldados dos Estados Unidos mataram a tiros duas iraquianas - uma delas grávida - ao atirarem contra um veículo que não parou num posto de observação na cidade de Samarra, no norte do Iraque, disseram autoridades e parentes das vítimas.Nabiha Nisaif Jassim, de 35 anos, estava em trabalho de parto e seu irmão a levava às pressas para a maternidade da cidade quando os disparos ocorreram. Duas primas de Jassim também estavam no carro.Jassim, que tinha dois filhos, e sua prima Saliha Mohammed Hassan, de 57 anos, foram mortas pelas forças dos EUA, segundo a polícia iraquiana.Segundo o Exército americano, as tropas de coalizão dispararam porque o carro não parou ao entrar em uma área proibida, perto de um posto de observação, mesmo após ser advertido pelos soldados."Disparos foram efetuados para incapacitar o veículo", afirmou o Pentágono num e-mail à Associated Press. "Forças da coalizão receberam posteriormente notícias da polícia iraquiana dando conta que duas mulheres morreram de ferimentos de bala... e uma delas poderia estar grávida", dizia a mensagem.O irmão de Jassim, que foi ferido por estilhaços de vidro, contesta a versão dos militares dos EUA. "Eu corria muito porque não vi qualquer sinal ou advertência dos americanos. Só quando eles deram dois tiros que mataram minha irmã e minha prima que eu parei", relatou. "Que Deus castigue os americanos e aqueles que os trouxeram para cá. Eles não dão valor às nossas vidas".Ele disse que médicos ainda tentaram salvar o bebê depois da morte de sua irmã no hospital, mas não tiveram êxito.O incidente ocorre às vésperas da conclusão de uma investigação sobre denúncias de que fuzileiros navais americanos mataram civis desarmados na cidade ocidental de Haditah.O Exército dos EUA adiantou que as mortes em Samarra também serão investigadas. "A perda de vida é lamentável e as forças da coalizão se esforçam para evitá-las", acrescentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.