Soldados britânicos deixam distrito no sul do Afeganistão

Soldados britânicos retiraram-se nesta terça-feira (17) de um conturbado distrito no sul do Afeganistão depois de chegarem a um acordo com anciões tribais, informaram autoridades locais.Mark Laity, um porta-voz da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) em Cabul, negou, entretanto, que as tropas britânicas tenham chegado a algum tipo de acordo com a milícia fundamentalista islâmica Taleban para retirar-se de Musa Qala, um distrito da província de Helmand.Segundo ele, a decisão de retirar os soldados britânicos de Musa Qala foi tomada depois de comandantes terem conseguido um acordo com líderes tribais e com o governador local. O acordo contou com o apoio do presidente do Afeganistão, Hamid Karzai."Não houve nenhum contato com o Taleban. Eles não estão envolvidos nesse acordo", assegurou Laity. Segundo ele, o último confronto de grande porte envolvendo os soldados britânicos em Musa Qala ocorreu há 35 dias. Forças afegãs assumirão a responsabilidade pela segurança no distrito.Musa Qala é um dos distritos mais voláteis de Helmand. Cerca de 4.000 soldados britânicos foram enviados à região durante a primavera no hemisfério norte e encontraram mais resistência do que o esperado.O Ministério da Defesa da Grã-Bretanha rejeitou a interpretação de que a retirada represente um revés e informou que os soldados continuarão presentes em distritos adjacentes.Ao mesmo tempo, a Otan anunciou o lançamento de uma nova ofensiva nacional em conjunto com o Exército do Afeganistão com o objetivo de manter a pressão sobre o Taleban durante o outono e o inverno (boreais).Em Cabul, o general David Richards, comandante dos 31.000 soldados do Afeganistão, disse que a ofensiva se chamará "Operação Águia", mas não forneceu detalhes sobre o contingente a ser utilizado nem em quais regiões do país os militares se concentrarão.Enquanto isso, episódios de violência registrados hoje no país centro-asiático resultaram na morte de pelo menos 44 supostos rebeldes, disseram fontes militares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.