Soldados britânicos são repatriados após matarem civil afegão

Dois soldados de paz britânicos que supostamente atiraram contra um carro levando uma mulher grávida ao hospital foram enviados hoje de volta para a Grã-Bretanha em meio a acusações de que os tiros, que mataram um cunhado da mulher, foram disparados sem provocação.As polícias afegã e britânica estão investigando o incidente, mas os soldados só responderão a perguntas da polícia da Grã-Bretanha, afirmou o capitão Graham Dunlop, porta-voz da força de paz britânica. "Dois dos soldados do Regimento de Pára-quedistas voltaram para o Reino Unido", disse Dunlop. "A investigação do incidente continua". Dunlop afirmou que a repatriação é um procedimento normal durante uma investigação. Qualquer ação legal contra os soldados será tomada na Grã-Bretanha, disse. "A Grã-Bretanha mantém a jurisdição exclusiva sobre os soldados", afirmou Dunlop. "Se eles tiverem de ser punidos, nós lidaremos com eles". Os tiros efetuados antes do amanhecer na semana passada enfureceram afegãos em Cabul, que afirmaram que os soldados fizeram 60 disparos contra o carro que violou o toque de recolher noturno para levar a grávida ao hospital. Os pára-quedistas estavam num posto de observação no topo de um abandonado silo de grãos rodeado por um bairro pobre. A área é no geral deserta durante a noite, e os soldados aparentemente abriram fogo logo depois de o carro ser ligado e os faróis acesos.Dunlop não soube informar se apenas os dois soldados de uma patrulha de seis atiraram. Cada fuzil SA-80 dos soldados é carregado com 30 tiros. Amaun Isaq, 20 anos, foi morto com um tiro na cabeça. A cunhada, Faria, deu à luz naquela noite. Nenhuma arma foi encontrada no carro.Mohammed Isaq, irmão do rapaz morto, ficou revoltado pelo fato de os pára-quedistas terem sido mandados para casa e exigiu a realização de um julgamento público no Afeganistão. "Não sei se eles foram para a Inglaterra para descansarem em casa ou para serem investigados", afirmou Isaq. "Ficarei satisfeito que a justiça foi feita se houver um julgamento que eu possa ver e se o julgamento for no Afeganistão". Apesar de os disparos terem revoltado muitos afegãos, a maioria considera que a força de paz de 4.500 integrantes em Cabul é vital para se evitar brutais lutas entre facções que já deixaram grande parte da cidade em ruínas. Desde que o Taleban foi derrotado, senhores da guerra têm tentado expandir a influência em várias províncias.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.