Soldados disparam contra manifestantes no Bahrein

Confronto ocorreu perto da praça central da capital, Manama; dezenas ficaram feridos.

BBC Brasil, BBC

18 de fevereiro de 2011 | 17h09

Os manifestantes no Bahrein pedem mudanças no regime

Forças de segurança do Bahrein teriam disparado nesta sexta-feira contra manifestantes contrários ao governo que teriam tentando voltar a ocupar a Praça da Pérola, no centro da capital, Manama, segundo testemunhas e ativistas de oposição.

Os ataques, que provocaram cenas de pânico e caos, ocorreram no mesmo dia em que os manifestantes participavam dos funerais de quatro vítimas de confrontos com a polícia nos últimos dias.

Dezenas ficaram feridos nos confrontos. Profissionais da área médica disseram que pelo menos 25 ficaram machucados.

O príncipe Salman Bin Hamad Al Khalifa, filho do rei do Bahrein, fez um pronunciamento em rede nacional de TV prometendo o início de um diálogo nacional assim que a calma volte ao país.

Khalifa, que também é o vice comandante supremo do Exército, pediu a todos os manifestantes que deixem as ruas.

Funeral

O funeral de duas vítimas - dois homens, de 20 e 50 anos - ocorreu em um bairro xiita de Manama. Os caixões foram envoltos em bandeiras do país e levados em cortejo pelas ruas do bairro.

A multidão presente gritava pedindo "justiça, liberdade e monarquia constitucional". Alguns disseram que estavam dispostos a sacrificar suas vidas para derrubar o governo.

"Haverá violência, haverá confrontos", disse à BBC um manifestante que se identificou como Sayed. "Bahrein está passando por um túnel escuro."

Os manifestantes tentaram chegar a um hospital onde outros ativistas feridos estão internados. Mas, no caminho, passaram perto da Praça da Pérola - que tinha sido isolada pelo Exército, depois que os soldados expulsaram na quinta-feira manifestantes que lá estavam acampados - e aí foram atingidos.

Uma testemunha disse ao canal de televisão Al-Jazeera que as autoridades não deram aviso antes de atirar.

"Eles simplesmente começaram a atirar contra nós. Agora há mais de 20 feridos no hospital. Um rapaz morreu, foi baleado na cabeça", disse a testemunha.

'Massacre'

O mais importante clérigo xiita do país, xeque Issa Qassem, descreveu os ataques contra os manifestantes como um "massacre" e disse que o governo do Bahrein tinha fechado a porta para o diálogo.

Enquanto ele fazia seu sermão durante as orações de sexta-feira, os manifestantes gritavam "vitória para o Islã" e "morte para Al Khalifa (a família real)" e "somos seus soldados".

Na quinta-feira, os Estados Unidos pediram comedimento ao governo bairenita na reação aos protestos. O pequeno país, com menos de um milhão de habitantes, é um aliado importante do governo americano na região - é lá que fica a base da Quinta Frota Naval dos Estados Unidos, responsável por operações em uma vasta área que inclui o Golfo Pérsico e o Mar da Arábia.

Desde sua independência da Grã-Bretanha, em 1971, o Bahrein tem registrado tensões entre a elite sunita e a maioria xiita, que se diz marginalizada e reprimida.

Agora, essas tensões ganharam força em meio à atual onda de levantes nos países árabes e muçulmanos, que já levaram à renúncia dos presidentes da Tunísia e do Egito.

O uso da força militar nos protestos recentes colocou a família real de Bahrein em rota direta de confronto com os xiitas, que compõem a maioria dos manifestantes, relata o correspondente da BBC no Oriente Médio Jon Leyne.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.