Soldados escoceses terão que dividir suas ´saias´ cerimoniais

Mais de 5.000 soldados escoceses terão que dividir kilts (saias típicas) cerimoniais entre eles porque chefes do Departamento de Defesa ainda não finalizaram um contrato para comprar vestimentas suficientes, disseram autoridades militares nesta segunda-feira, 18.Os homens, que têm passagens regulares do dever no Iraque e no Afeganistão, têm apenas 320 kilts para serem divididos entre eles, ou seja, um para casa 15 soldados. Tropas de combate usavam a tradicional saia das Terras Altas durante batalhas até o fim da Primeira Guerra Mundial, mas agora os kilts são usados apenas para cerimônias militares, como funerais, marchas e comemorações. Todos os soldados escoceses precisam de novos kilts em decorrência da fusao, em agosto, de antigos regimentos em um único Regimento Real da Escócia. "Uma planejada licitação de kilts será acordada com o Regimento Real e o programa completo será completado até janeiro de 2008", disse um porta-voz do Ministério da Defesa. O ministério se recusou a dizer quem venceu a licitação no valor de 1 milhão de libras (US$ 1.95 milhão). "O kilt é psicologicamente importante para a identidade de soldados escoceses", disse o coronel Willy Macnair, que serviu no agora extinto regimento Queen´s Own Highlander. "E pode ser que alguns soldados do novo regimento, até a hora que saírem, podem nunca tê-lo usado".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.