Soldados israelenses vão à Justiça contra ocupação

Soldados israelenses da reserva, que se recusam a servir em áreas palestinas, pediram hoje à Suprema Corte de Israel que declare ilegal a ocupação, que já dura 35 anos, da Faixa de Gaza e da Cisjordânia. O tenente David Zonshein e outros sete oficiais argumentam que sua recusa em obedecer ordens é legal, porque a ocupação em si não o é. Todos já estiveram presos por terem se recusado a servir na Cisjordânia e na Faixa de Gaza. "Nos últimos dois anos, a ocupação israelense tornou-se um mecanismo de punição coletiva da população civil", diz a petição. "A ocupação é ilegal e por essa razão não é mais possível distinguir entre uma ordem legal e outra ilegal". Os assinantes da petição redigiram uma lista de bloqueios de cidades e vilarejos palestinos, toques de recolher e matanças de militantes e de palestinos civis, todos classificados como crimes de guerra, proibidos pela Convenção de Genebra. Israel afirma que as restrições impostas aos palestinos e os ataques contra os militantes têm o objetivo de evitar tiroteios e ataques contra israelenses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.