Soldados japoneses ficam no Iraque enquanto Koizumi for primeiro-ministro

O primeiro-ministro do Japão, Junichiro Koizumi, disse nesta quarta-feira que os soldados de seu país não deverão ser retirados do Iraque enquanto ele for primeiro-ministro.A implementação da decisão japonesa de retirar os cerca de 600 soldados enviados por Tóquio ao país árabe deve ter como uma base uma "ampla avaliação" da situação política e da questão de segurança e "não ocorreria necessariamente" durante seu mandato, disse Koizumi a jornalistas nesta quarta-feira.O mandato do primeiro-ministro japonês expirará em setembro.O Japão, principal aliado dos Estados Unidos no leste da Ásia, apoiou abertamente a invasão do Iraque. Os soldados japoneses estão desde 2004 em Samawah, no sul iraquiano, em uma missão para purificar água e distribuir ajuda humanitária.A opinião pública japonesa opõe-se à missão militar, muito criticada como uma violação da Constituição pacifista do país. Muitos temem que a presença japonesa no Iraque transforme o país em alvo de ações extremistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.