Soldados matam mais de 40 pessoas no norte da Nigéria

Soldados mataram a tiros mais de 40 pessoas no nordeste da Nigéria, durante uma operação contra uma seita islâmica radical, disse o funcionário de um hospital nesta sexta-feira. Segundo ele, a maioria dos mortos eram civis. O funcionário disse que os soldados trouxeram os corpos, a maioria de homens jovens, ao hospital na noite da quinta-feira. Segundo ele, os corpos foram trazidos do bairro de Kalari e não pareciam ser de integrantes da seita islamita Boko Haram, responsável por uma série de ataques na região.

AE, Agência Estado

02 de novembro de 2012 | 20h30

O tenente-coronel Sagir Musa, do exército nigeriano, não quis comentar o assunto nesta sexta-feira. Moradores de Maidiguri, contudo, disseram que os jovens foram retirados das casas durante buscas dos soldados, porta a porta, levados a um campo e fuzilados. A Anistia Internacional e a Human Rights Watch, os dois maiores grupos de defesa dos direitos humanos, afirmam que tanto os militares nigerianos quanto a seita Boko Haram provavelmente cometeram crimes contra a humanidade, na luta que mantém há anos em Estados do norte da Nigéria.

Em outro incidente em Maidiguri nesta sexta-feira, um general da reserva do exército foi morto a tiros, possivelmente por militantes da Boko Haram. A morte do general Mamman Shuwa poderá levar a mais ataques de retaliação do exército em Maidiguri. Musa disse que atiradores invadiram a casa do general aposentado nesta sexta-feira, matando a tiros o idoso e um convidado que estava com ele na residência. "Vamos capturar os terroristas que fizeram isso", disse Musa.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.