Soldados no Golfo reclamam de falta de comida

Familiares de soldados britânicos enviados ao Golfo Pérsico disseram nesta sexta-feira que os militares não estão sendo bem alimentados - em algumas ocasiões fazem apenas uma refeição por dia - e dependem de seus colegas norte-americanos para obter equipamentos essenciais.No entanto, o general Mike Jackson, chefe de Estado Maior das Forças Armadas britânicas, nega a existência do problema."Se uma coisa me deixaria preocupado seria eles terem conforto demais. Se foi pedido a eles que façam um trabalho perigoso em circunstâncias difíceis, eles devem estar habituados a essas circunstâncias", disse Jackson, no Kuwait, nesta sexta-feira.As condições dos soldados britânicos transformaram-se no principal assunto dos programas de rádio e televisão no país, após a divulgação de notícias segundo as quais haveria uma potencial ameaça de atentados contra soldados no Kuwait e depois das declarações de familiares, de que receberam cartas e e-mails de soldados reclamando da falta de comida e equipamentos.Sue, mãe de um fuzileiro naval enviado ao Golfo Pérsico que não disse seu sobrenome para preservar a identidade do filho, disse à BBC que recebeu uma mensagem de correio eletrônico com detalhes sobre a situação."A situação da comida ainda é ruim. Um pequeno pacote com ração para o almoço. A alimentação é pouca e inadequada", dizia o e-mail."Os equipamentos solicitados ainda não foram recebidos - tudo, desde botas para o deserto e camuflagem para veículos e armas. Os norte-americanos nos emprestam tudo. Do jeito que as coisas estão, pessoas aqui vão morrer."Um pai, identificado somente como Derek, disse que seu filho no Kuwait recebe somente uma refeição diária e o moral das tropas está em baixa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.