Soldados paquistaneses são mortos na fronteira afegã

Militantes emboscaram um comboio de tropas paquistanesas numa região tribal no noroeste do país, perto da fronteira com o Afeganistão, matando sete soldados e ferindo outros 22, num dos mais sangrentos ataques recentes contra forças de segurança locais. Centenas de soldados apoiados por helicópteros de combate buscavam os rebeldes, que teriam fugido para uma vila próxima depois da ação nos arredores de Miran Shah, a principal cidade da região norte da província do Waziristão. O porta-voz do Exército, major general Shaukat Sultan, disse que cinco a oito militantes foram mortos nos combates posteriores ocorridos durante a perseguição promovida pelas forças de segurança. Sultan afirmou que sete soldados foram mortos e 22 feridos na emboscada a três veículos. Pelo menos três dos feridos estavam em condições críticas. O Exército montou barreiras nas estradas e proibiu a passagem de repórteres. Militantes também atacaram com foguetes um posto militar perto de Miran Shah na noite desta quarta-feira. Não houve feridos. O Paquistão é um aliado-chave dos Estados Unidos em sua guerra contra o terrorismo, e o Waziristão e áreas tribais próximas têm sido palco de freqüentes operações militares contra remanescentes do Taleban afegão, da rede Al-Qaeda, do líder terrorista Osama bin Laden, e seus partidários locais. O Paquistão posicionou 80 mil tropas na região fronteiriça, e centenas de militantes e soldados já foram mortos em combate.

Agencia Estado,

20 Abril 2006 | 17h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.