Soldados peruanos caçam seqüestradores

Tropas de elite do exército peruano buscam os supostos guerrilheiros do Sendero Luminoso que seqüestraram e, em seguida, libertaram cerca de 60 trabalhadores da empresa argentina Techint. Cerca de 500 soldados buscavam os rebeldes em uma região montanhosa e no vale do rio Apurímac, a sudeste de Ayacucho, um dia depois da libertação dos trabalhadores seqüestrados na segunda-feira no acampamento de Toccate, na província de La Mar, a 350 km a sudeste de Lima. Os rebeldes, qualificados pelo presidente peruano, Alejandro Toledo, como "remanescentes" do grupo maoísta Sendero Luminoso, libertaram os reféns nas imediações de Palmapampa, no vale do Apurímac, sem confronto armado com as tropas, aparentemente após terem recebido algum resgate - segundo disseram os libertados, embora o governo tenha dito que nada foi pago. Toledo também disse que seu governo não negociará com os guerrilheiros. O exército disse que os seqüestrados foram 60, enquanto que Toledo disse serem 71. Entre eles, há seis colombianos e um chileno.Os trabalhadores libertados disseram a jornalistas que na terça-feira pela manhã os guerrilheiros lhes informaram de que seriam libertados depois que a Techint pagasse um resgate. Os reféns foram postos em liberdade depois que um helicóptero chegou ao lugar em que se encontravam e despejou algumas caixas no local.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.