AP Photo/Christian Bruna
AP Photo/Christian Bruna

Solicitações de asilo na Alemanha aumentam em 124,2% em abril com relação a 2015

Número de pedidos chegou a 60.943, segundo Ministério do Interior; mais de 21 mil pessoas receberam o status de refugiadas de acordo com a Convenção de Genebra

O Estado de S. Paulo

09 Maio 2016 | 12h08

BERLIM - O número de solicitações de asilo na Alemanha aumentou em abril em 124,2% em relação ao mesmo período de 2015 e chegou a 60.943 pedidos, informou nesta segunda-feira, 9, o Ministério do Interior.

Em abril, no entanto, também foram concluídas 44.395 solicitações que estavam pendentes, 131,2% a mais que no ano anterior.

Cerca de 21.557 pessoas receberam o status de refugiadas de acordo com a Convenção de Genebra, o que representa 48,6% das pessoas que aguardavam a conclusão do pedido. Dentre elas, 121 foram consideradas asilados políticos, segundo o artigo 16 da Constituição alemã.

Aproximadamente 23% das solicitações, um total de 10.598, foram rejeitadas, enquanto 17,7% (7.857) não chegaram ao final do processo.

Em alguns casos, os peticionários retiraram o pedido e em outros, acabaram sendo transferidos para outro país europeu. Segundo o Ministério de Interior, ainda há 431.993 solicitações pendentes.

A maioria dos requerentes de asilo são da Síria.

Tragédia. Um paquistanês de 24 anos morreu na madrugada desta segunda-feira nos acessos ao porto de Calais, no norte da França, em uma área onde muitos imigrantes tentam abordar caminhões para atravessar para a Grã-Bretanha. Ele teria sido atropelado por um carro.

A sub-prefeitura de Calais informou que o fato aconteceu por volta das 3h30 locais, e que foram os próprios imigrantes que avisaram a polícia. De acordo com a versão deles, um veículo leve com placa britânica atropelou o jovem e depois o motorista teria fugido do local.

Os agentes encontraram o corpo de um homem na via e o tiraram de lá, segundo a sub-prefeitura, que informou que foi aberta uma investigação "para tentar determinar as causas exatas desta morte". /EFE

Mais conteúdo sobre:
Alemanha asilo crise migratória

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.