Solução política está se formando na Líbia, diz premiê francês

Segundo o chanceler da França, Alain Juppé, Khadafi estaria dando sinais de que pode deixar o poder.

BBC Brasil, BBC

12 de julho de 2011 | 13h39

O primeiro-ministro francês, François Fillon, disse que uma solução política está começando a se formar na Líbia, onde rebeldes e forças leais ao coronel Muamar Khadafi se enfrentam desde fevereiro.

O premiê fez a declaração perante uma comissão parlamentar que decidirá sobre a prorrogação da participação francesa na missão da Otan na Líbia, em cumprimento à resolução 1973 do Conselho de Sergurança da ONU.

Fillon disse aos parlamentares que os rebeldes estavam ganhando terreno a cada dia e que, com a marinha e a força aérea destruídas, o líder líbio começa ficar encurralado.

O premiê também disse não estar preocupado com a duração da missão, que já chega aos quatro meses. "Nós nunca dissemos ou pensamos que a intervenção na Líbia seria fácil e que acabaria em alguns dias", afirmou.

Segundo o correspondente da BBC em Paris Hugh Schofield, a lei francesa determina que a Assembleia Nacional debata sobre qualquer campanha militar depois de quatro meses de seu lançamento.

No entanto, Schofield diz que o prolongamento da participação francesa na Líbia deve ser aprovado com facilidade.

Contatos

Os comentários de Fillon ocorreram pouco depois que o ministro do Exterior francês, Alain Juppé, disse que havia sinais de que Khadafi estava pronto para deixar o poder.

Juppé afirmou que a mensagem estava vindo por meio de emissários, embora não tenha dito quem eles são. O chanceler disse ainda que nenhuma negociação oficial está sendo realizada no momento.

Até agora, Khadafi não tem se mostrado disposto a deixar seu posto como líder líbio, mas os insurgentes exigem a sua saída como condição básica para qualquer acordo de paz.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.