Somália: 45 emigrantes mortos após serem obrigados a pular no mar

Pelo menos 45 cidadãos somalis e etíopes morreram afogados quando tentavam chegar ao Iêmen a bordo de uma embarcação de madeira e foram forçados pelos tripulantes a pularem no mar quando se aproximavam da praia, acusaram sobreviventes nesta segunda-feira. "Eles começaram a apontar as armas para as pessoas e as obrigaram a pular. Muita gente se afogou", garantiu Ali Sidow Qaddi, que nadou por 5 km até chegar ao porto iemenita de Shabwa, onde foi resgatado no sábado. A embarcação de madeira levava aproximadamente 80 pessoas e iniciou na última quinta-feira uma viagem entre Marer, na costa norte da Somália, e o Iêmem pelo Golfo de Áden. Outros dois barcos com o mesmo destino levaram mais 200 pessoas para procurar trabalho no Iêmen no dia anterior e no dia seguinte à partida da embarcação em questão. Qaddi, que está em solo iemenita e conversou com a The Associated Press por telefone, disse que pagou o equivalente a US$ 50 para ir ao Iêmen depois de três dias de viagem pelo sul da Somália. De acordo com Hajji Ahmed Mohamud, cônsul interino da Somália no Iêmen, outros sobreviventes disseram ter contado seis corpos flutuando na água. Ele disse que as autoridades locais já sepultaram outros sete cadáveres recuperados do mar. Mohamud informou que os sobreviventes foram levados à representação no Iêmen do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.