Somália confirma morte de suspeito da Al-Qaeda

O presidente da Somália parabenizou hoje os soldados do governo por terem matado o mentor da Al-Qaeda por trás do ataque de 1998 às embaixadas dos Estados Unidos no Quênia e na Tanzânia.

AE, Agência Estado

12 de junho de 2011 | 12h23

O presidente xeque Sharif Sheik Ahmed disse neste domingo que Fazul Abdullah Mohammed estava escondido na Somália e que foi responsável pela violência no país. Ahmed mostrou documentos, imagens e vídeos que, segundo ele, as tropas do governo recuperaram junto a Mohammed.

O membro da Al-Qaeda estava na lista dos mais procurados do FBI e tinha uma recompensa de US$ 5 milhões pela sua captura por supostamente planejar os bombardeios às embaixadas em 7 de agosto de 1998. As explosões mataram 224 pessoas, a maioria quenianos. Doze norte-americanos morreram.

A morte dele é representa o terceiro grande ataque em seis semanas contra o grupo terrorista que era chefiado por Osama bin Laden até sua morte, no mês passado.

A secretária de Estado dos Estados Unidos, Hillary Clinton, também homenageou as vítimas dos bombardeios durante uma visita a um complexo americano na Tanzânia. Ela colocou flores sobre uma pedra no portão principal da embaixada, fez uma oração e conversou com três funcionários que estavam na embaixada quando ela foi bombardeada. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
SomáliaAl-QaedaEUAataqueembaixada

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.