Somália libera suspeito de ligação com ataque terrorista

Um tribunal da Somália absolveu e libertou um suspeito que tentou embarcar num avião em Mogadiscio, em novembro, com produtos químicos e uma seringa. O material é similar ao usado na tentativa de ataque contra um avião comercial dos Estados Unidos na semana passada.

AE-AP, Agencia Estado

31 de dezembro de 2009 | 15h23

A informação de que o suspeito foi libertado vai atrapalhar os esforços de investigadores norte-americanos para descobrir se as duas tentativas de ataque têm ligação. Especialistas em terrorismo disseram que a prisão na Somália poderia ser valiosa para a investigação de Detroit.

O comissário de polícia, general Ali Hassan Loyan, disse que o tribunal libertou o suspeito no dia 12 de dezembro após concluir que a acusação não demonstrou que ele pretendia cometer o crime. O homem, cujo nome ainda não foi divulgado, disse que as substâncias químicas seriam usadas para relevar filmes fotográficos.

Após a tentativa de ataque ao avião norte-americano, Loyan disse que as autoridades somalis vão colaborar com os funcionários norte-americanos e compartilhar informação e confiscar os materiais.

"O governo federal somali afirma que está pronto para duplicar sua cooperação com todos os países do mundo, particularmente com os Estados Unidos, para esclarecer se o incidente que aconteceu em Mogadiscio e o outro que aconteceu na região norte-americana são similares", disse Loyan durante uma coletiva de imprensa na capital somali.

Funcionários norte-americanos souberam ontem do incidente, ocorrido no início de novembro no aeroporto internacional de Mogadiscio e começaram a investigar as ligações entre os dois casos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.