Somália tem mais de 600 mil famintos, diz organização

Mais de 600 mil pessoas estão sofrendode desnutrição grave no sul da Somália, numa parte do país queno passado era considerada sua "despensa", afirmou a agênciaassistencial Food Security Analysis Unit, que agrupa váriasorganizações. A avaliação da desnutrição na região de Shabelle foipublicada na noite de segunda-feira pela entidade. "A nutrição... deteriorou-se drasticamente desde março na ... região, quegeralmente é a mais resistente e a despensa do país", informa orelatório. Um dos motivos foi a falta de chuvas, além dos problemas nocomércio causados pelo conflito que matou centenas de pessoasdesde que o governo, com o apoio da Etiópia, expulsou osislamitas de Mogadíscio, em dezembro. O relatório estimou que a inflação dos últimos três mesesno país tenha ficado entre 40 e 60 por cento. "Todos esses choques num período curto de tempo resultaramno rápido estabelecimento de uma emergência humanitária, comaltas taxas de desnutrição aguda e severa, que afeta mais de600 mil pessoas", disse o documento. O país, no Chifre da África, não tem um governo estáveldesde a queda do regime de Siad Barre, em 1991. (Por Tim Cocks)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.