Somchai Wongsawat é eleito primeiro-ministro da Tailândia

Eleição teve apoio dos partidos da coalizão; oposição rejeitou por causa da relação dele com o ex-líder

Efe,

17 de setembro de 2008 | 00h58

O Parlamento da Tailândia elegeu nesta quarta-feira, 17, Somchai Wongsawat como novo primeiro-ministro, com o apoio dos partidos da coalizão governamental, e apesar da rejeição da oposição por sua relação com o ex-líder deposto Thaksin Shinawatra. Cronologia da crise na Tailândia A escolha de Wongsawat, cunhado de Shinawatra e vice-presidente do Partido do Poder do Povo (PPP), é resultado do acordo entre as seis legendas da coalizão após uma disputa interna pelo controle das pastas do Gabinete. Wongsawat assegurou na terça-feira sua escolha por parte do PPP e dos outros cinco partidos da coalizão, que em conjunto têm 306 cadeiras das 480 que integram o Parlamento. O novo primeiro-ministro recebeu o apoio de 298 deputados, enquanto 163 da oposição votaram contra, e outros cinco membros do Legislativo se abstiveram, entre eles seu presidente. Após a votação, o novo primeiro-ministro da Tailândia conversou com o líder da oposição, Abhisit Vejajiva, segundo a imprensa local. O apoio ao cunhado de Shinawatra ganhou força na terça-feira, depois que um grupo de 73 deputados do PPP vinculados ao político Newin Chibchob, um dos 112 que foram inabilitados no ano passado por fraude eleitoral, condicionasse seu voto a favor ao comando de várias pastas ministeriais. Wongsawat, de 61 anos, é casado com a irmã mais nova do ex-primeiro-ministro Shinawatra, deposto há dois anos mediante um golpe de Estado perpetrado pelos militares, e após governar a Tailândia desde 2001. O cunhado de Shinawatra assumiu como primeiro-ministro interino quando o Tribunal Constitucional destituiu, no dia 9 de setembro, Samak Sundaravej do cargo por apresentar um programa culinário na TV local sendo chefe do Executivo. Apesar de seus laços familiares com o polêmico Shinawatra, o recém eleito primeiro-ministro é um dos políticos mais valorizados do governante PPP, e é inclusive bem-visto em setores da oposição, por sua boa reputação como juiz e por sua tendência a dialogar. A família de Wongsawat controla um conglomerado empresarial que tem interesses nos setores das telecomunicações e da construção, e que cresceu notavelmente durante o mandato de Shinawatra (2001-2006). Os líderes da Aliança Popular para a Democracia, cujos seguidores ocupam o palácio do governo tailandês desde 26 de agosto, asseguraram que os protestos continuarão enquanto houver no Gabinete membros do PPP, o principal partido da coalizão governamental. "Não posso abrir mão dos meus laços familiares, mas o importante é quem eu sou", disse Wongsawat à imprensa local.

Tudo o que sabemos sobre:
Tailândia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.