REUTERS/Jonathan Ernst
REUTERS/Jonathan Ernst

Sou muito bom em cortar impostos, diz Trump ao apresentar reforma fiscal

Presidente dá sinais de que não aceitará negociar os descontos previstos no projeto

O Estado de S.Paulo

27 Setembro 2017 | 16h53

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, apresentou nesta quarta-feira, 27, seu plano de reforma fiscal, após dar sinais de que não aceitará negociar os descontos previstos no projeto. Ele rejeitou críticas de que ele beneficia americanos mais ricos e disse que a reforma será bem-sucedida. 

“Sou muito bom em cortar impostos”, disse o presidente em discurso em Indiana.

O presidente apresentou um projeto com um corte de 15 pontos porcentuais para pessoas jurídicas. Inicialmente, ele queria um desconto de 20 pontos e rejeitou um corte menor do que o apresentado.  . “Vinte é o meu número, então não vou negociar este número”, disse. Críticos do projeto dizem que a perda de arrecadação pode aumentar o déficit fiscal do país. 

O presidente também rejeitou acusações de que o corte de impostos para pessoas físicas beneficie os mais ricos. “Acho que há muito pouco benefício para os ricos”, disse Trump a jornalistas na Casa Branca.

A proposta prevê uma redução de sete para três categorias de pagamento de imposto de renda para os americanos - 12%, 25% e 35%.

O projeto foi divulgado em conjunto pela Casa Branca e pelos republicanos que lideram comitês do Senado e da Câmara dos Representantes. Ele será o documento de trabalho com o qual o presidente espera fazer a maior reforma fiscal do país desde 1980.

Depois de muita expectativa, a proposta de Trump reduz o imposto sobre as empresas de 35% para 20%, ligeiramente acima dos 15% prometidos inicialmente por ele.

"O objetivo é voltar a tornar os EUA competitivos em nível global e oferecer um alívio fiscal à classe média e aos empresários", explicou um funcionário do governo que pediu anonimato.

Os novos índices representam uma queda em relação às taxas máximas que eram pagas anteriormente, de 39%, e elevam levemente o mínimo, de 10% para 12%. Como já tinha sido anunciado previamente, Trump também propôs elevar as deduções fiscais para as famílias com filhos e criar uma nova para adultos dependentes, como idosos ou pessoas doentes.

Ainda é preciso esclarecer como equilibrar as contas públicas e não gerar um aumento do déficit do país após a queda na cobrança de impostos. "Eliminaremos muitas isenções, que equilibrarão em parte essas reduções", indicou o funcionário da Casa Branca./ REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.