'Sou uma pecadora', diz mulher identificada como Sakineh no Irã

Televisão estatal exibe suposta confissão da iraniana condenada a morte por adultério

estadão.com.br,

15 de novembro de 2010 | 17h34

TEERÃ - Uma mulher identificada como a iraniana Sakineh Ashtiani, condenada à morte por adultério, e posteriormente, por homicídio, apareceu na TV estatal iraniana nesta segunda-feira, 15, admitindo a culpa pelos crimes dos quais é acusada.

Veja também:

especialAs punições da Sharia, a Lei Islâmica

documento As origens do sistema jurídico do Islã

especialEntenda o caso Sakineh Ashtiani

"Sou uma pecadora", disse a mulher. Comentários de seu filho, do advogado e de dois alemães presos acusados de tentar entrevistar a família dela também foram exibidos.

Sakineh foi condenada em 2006 por manter relações com dois homens após ficar viúva, o que, segundo a lei islâmica, também é considerado adultério. Ela foi condenada a 99 chibatadas. Depois, esta pena foi convertida em morte por apedrejamento.

Em julho deste ano, seu advogado Mohammad Mostafaei tornou público o caso em um blog na internet, o que chamou a atenção da comunidade internacional. Perseguido pelas autoridades iranianas, ele fugiu para a Turquia, de onde buscou asilo político na Noruega.

A sentença de apedrejamento foi suspensa, mas ainda pode ser retomada pela Justiça. Um tribunal de apelações acrescentou ao caso a acusação de conspiração para o assassinato do marido, da qual ela continua condenada a morte por enforcamento.

 

Leia ainda:

linkJornalista preso por caso Sakineh faz suposta acusação a ativista

Com AP

Tudo o que sabemos sobre:
Caso SakinehIrã

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.