Reuters
Reuters

Sri Lanka mostra supostas imagens de líder rebelde morto

Tâmeis dizem que Prabhakaran está vivo e em segurança; presidente afirma ter livrado o país do 'terrorismo'

19 de maio de 2009 | 07h39

Tropas do Exército do Sri Lanka encontraram nesta terça-feira, 19, o cadáver do líder rebelde Velupillai Prabhakaran, um dia depois de sua morte no último combate entre os rebeldes tâmeis contra as forças governamentais no norte do país, afirmaram os militares. Imagens exibidas em um canal de TV um corpo que parecia ser do líder dos Tigres de Libertação da Pátria Tâmil (LTTE). Antes das redes de televisão privadas e estatais transmitirem as imagens, um site ligado aos Tigres Tâmeis havia desmentido a morte do líder rebelde.

 

Veja também:

lista Entenda o conflito de mais de duas décadas no Sri Lanka

 

As imagens veiculadas pela emissora privada de televisão Swarnawahini mostraram um corpo supostamente de Prabhakaran, vestido com um uniforme de camuflagem verde escuro, com soldados ao redor. Uma tela azul cobria a parte superior de sua cabeça, aparentemente para evitar mostrar um ferimento. Seus olhos aparecem abertos e seu rosto está inchado. O governo anunciou na segunda-feira a morte de Prabhakaran, embora afirmasse que o corpo ainda não tinha sido localizado. O chefe do Exército, o general Sarath Fonseka, anunciou depois que o corpo foi encontrado.

 

"Há algumas horas o corpo do líder terrorista Prabhakaran, responsável pela ruína deste país, foi encontrado no campo de batalha, afirmou o militar para o canal estatal. Antes, o presidente Mahinda Rajapaksa já havia declarado vitória diante do Parlamento, afirmando que o país tinha sido "libertado" do terrorismo. Segundo ele, pela primeira vez em 30 anos, o governo cingalês tem o controle total de todas as áreas do país.

 

Falando na língua tâmil, o presidente ainda pediu união para a construção de uma nação pacífica e afirmou que as divisões religiosas e étnicas devem acabar no Sri Lanka. No discurso, que foi transmitido em rede nacional de televisão, Rajapaksa afirmou que "este é um dia muito significativo, não apenas para os cingaleses, mas para todo o mundo". "Hoje nós pudemos liberar todo o país das garras do terrorismo. Nós pudemos derrotar um dos mais odiosos grupos terroristas do mundo", afirmou.

 

O anúncio oficial sobre o cadáver do líder rebelde acontece poucas horas depois de o responsável pelas relações internacionais da guerrilha, S.Pathmanathan, assegurar que o líder se encontrava "vivo e em segurança". "O overno do Sri Lanka faz reivindicações não verificadas. Só posso dizer que nosso líder nacional está vivo e passa bem", disse em entrevista ao portal Tamilnet. "(Prabhakaran) Continuará liderando a busca da dignidade e a liberdade para o povo tâmil", acrescentou Pathmanathan, que vive fora do Sri Lanka.

 

O Exército recuperou desde a segunda-feira os corpos de 352 guerrilheiros após a última e fracassada tentativa dos LTTE de romper o cerco ao quais estavam submetidos em uma pequena área do nordeste do Sri Lanka. O LTTE defendia a criação de um Estado independente para os membros da etnia tâmil, minoritária no Sri Lanka, país de maioria cingalesa. Calcula-se que mais de 70 mil pessoas tenham morrido na ilha do sul da Ásia desde o início do conflito.

 

No domingo, depois de uma ofensiva que deixou o LTTE encurralado num braço de praia no nordeste do Sri Lanka, o grupo finalmente depôs armas, pondo fim à guerra civil. O aparecimento do corpo e a confirmação da identidade de Prabhakaran são acontecimentos estratégicos para o governo, que temia que a incerteza sobre o destino do líder guerrilheiro pudesse alimentar rumores de que o LTTE voltasse a organizar seus membros para uma contraofensivas no futuro.

 

O anúncio da morte foi recebido com festa na capital, Colombo, mas com tristeza entre parte da população tâmil que vive no Sri Lanka e no exterior. Embora fosse visto como um líder sanguinário pelos cingaleses, Prabhakaran representou para muitos tâmeis a esperança de uma vitória militar que possibilitasse a criação de um Estado independente.

Tudo o que sabemos sobre:
Sri Lanka

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.