Sri Lanka proíbe acesso a refugiados civis

Governo isola campos em busca de rebeldes tigres tâmeis foragidos

THE GUARDIAN, AP E REUTERS, O Estadao de S.Paulo

21 de maio de 2009 | 00h00

O governo do Sri Lanka bloqueou ontem o acesso de todas as organizações humanitárias aos campos de refugiados que abrigam mais de 280 mil pessoas. A alegação é a de que guerrilheiros remanescentes do grupo Tigres de Libertação do Eelam Tâmil (LTTE, na sigla em inglês), derrotados por uma ofensiva do Exército, no domingo, ainda vivem escondidos entre os civis."Há aproximadamente 3 mil membros do LTTE escondidos nos campos e nós ainda não terminamos as buscas", disse Rishard Badurdeen, ministro cingalês responsável pelo reassentamento dos refugiados."Precisamos ter acesso total, repito, acesso total, sem o menor impedimento, para a ONU, as ONGs e a Cruz Vermelha", protestou a porta-voz da ONU, Elisabeth Byrs. Mas o governo do Sri Lanka respondeu por meio do porta-voz do Ministério da Defesa, Lakshman Hulugalle, dizendo que "a ONU não pode ditar os termos" do acesso aos civis e a permanência da população nos campos de refugiados ainda pode durar "de um ano e meio a dois anos".Ontem, a Cruz Vermelha suspendeu a entrega de ajuda humanitária para 30 mil civis por causa dos entraves impostos pelo governo cingalês. A organização também revelou ter visitado e registrado 1.800 rebeldes capturados pelo Exército, o que contesta a versão difundida pela guerrilha de que seus membros cometeriam suicídio antes de ser capturados. Os tigres tâmeis são famosos por levar em volta do pescoço um cordão com um vidro do poderoso veneno cianeto, para ser ingerido antes da rendição.MORTESApesar do anúncio do fim da guerra, forças cingalesas disseram ter matado ontem oito rebeldes do LTTE no leste do Sri Lanka, numa área que há dois anos está sob controle do governo. Segundo as autoridades, o grupo estaria preparando uma emboscada.A ONU disse que a guerra entre o governo cingalês e os tigres tâmeis matou entre 80 mil e 100 mil pessoas desde 1983, quando o conflito armado teve início.O LTTE, criado em 1976 para lutar pela criação de um Estado independente para a minoria tâmil, era considerado um dos grupos armados mais violentos do mundo. No seu auge, os tigres tâmeis chegaram a controlar a parte norte da ilha cingalesa, mantendo um braço armado naval e outro aéreo capazes de rivalizar com as forças do governo. Mas nos últimos meses o Exército deu início a uma violenta ofensiva contra os rebeldes, que terminaram derrotados numa praia de apenas 4 km², no nordeste do país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.