Matt McClain/Washington Post
Matt McClain/Washington Post

Steve Bannon acusa assessores do presidente dos EUA de ‘traição’

Ex-assessor de Donald Trump fez declarações polêmicas em livro que será publicado no dia 9; presidente americano respondeu, e disse que Bannon 'perdeu o juízo'

O Estado de S.Paulo

03 Janeiro 2018 | 23h00

Washington - Steve Bannon, ex-assessor de Donald Trump, disse que Donald Jr, filho do presidente, cometeu “traição” ao se reunir com agentes russos para conseguir informações que prejudicassem a candidatura de Hillary Clinton, nas eleições de 2016. Em resposta, afirmou na quarta-feira, dia 3, que Bannon “perdeu o juízo” e não tem mais nenhuma influência no governo. 

Ex-assessor da campanha de Trump se declara culpado de mentir sobre contatos com russos

“Bannon não tem nada a ver comigo ou minha presidência. Quando foi despedido (da Casa Branca), não só perdeu seu trabalho, mas também perdeu seu juízo”, afirmou Trump em uma nota oficial. Trump disse que Bannon “raramente teve reuniões individuais comigo e somente aparenta ter influência junto a pessoas que não têm nem acesso, nem informação”.

Além disso, afirmou que Bannon “finge estar em guerra com meios de imprensa, aos quais chama de ‘partido da oposição’, mas passou seu tempo na Casa Branca vazando informação falsa à imprensa para parecer ser mais importante do que é”.

Investigação sobre Rússia aumenta pressão por pedido de impeachment de Trump

O comunicado é uma resposta de Trump a trechos do livro Fire and Fury: Inside the Trump White House, do jornalista americano Michael Wolff, que será publicado no dia 9. No livro, Bannon usa um linguajar impiedoso contra o filho mais velho de Trump, seu genro Jared Kushner e Paul Manafort, ex-chefe de campanha. Bannon os acusa de “traição ao país” e de colocar o presidente em risco ao atrair a atenção do FBI. “O caminho para ferrar Trump passa por Manafort, Donald Jr. e Kushner”, diz Bannon.

Em 2016, em plena campanha presidencial, Donald Jr., Kushner e Manafort se reuniram com a advogada russa Natalia Veselnitskaya, em Nova York, para obter dados comprometedores sobre Hillary. 

Deutsche Bank dá ao FBI dados de Trump

“Três altos cargos da campanha pensaram que era uma boa se reunir com um governo estrangeiro dentro da Trump Tower na sala de conferências do 25.º andar. Sem advogados”, disse Bannon. “Ainda que alguém pensasse que não é traição, ou tampouco antipatriótico, ou que simplesmente é uma m... – e eu acho que foram as três coisas –, alguém deveria avisar o FBI imediatamente.”

Steve Bannon entrou na equipe de campanha de Trump semanas depois do encontro e alega que somente se inteirou dessa reunião após as eleições. Em seu depoimento para esse livro, o polêmico ex-chefe de Estratégia da Casa Branca disse que os agentes do FBI que investigam o suposto conluio de Trump com a Rússia “vão quebrar Donald Jr como um ovo no horário nobre da televisão”. / AFP e NYT

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.