Strauss-Kahn alega imunidade diplomática

A defesa do ex-diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI) Dominique Strauss-Kahn alegou imunidade diplomática em uma audiência na Justiça de Nova York na qual ele foi acusado de estuprar a camareira Nafissatou Diallo. O caso fora arquivado pela Promotoria Pública de Nova York, que encontrou inconsistências no depoimento da empregada, mas foi levado adiante por ela em um foro civil. O juiz do caso contestou o argumento da defesa.

O Estado de S.Paulo

29 Março 2012 | 03h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.