Strauss-Kahn assediava aeromoças da Air France

PARIS

, O Estado de S.Paulo

05 de agosto de 2011 | 00h00

O jornal Le Parisien informou ontem que Kenneth Thompson e Douglas Wigdor, advogados da camareira Nafissatou Diallo, que acusa o ex-diretor do FMI Dominique Strauss-Kahn de estupro, procuram aeromoças da Air France que também teriam sido assediadas sexualmente por ele. O depoimento delas seria importante para condená-lo nos EUA.

Thompson e Wigdor já teriam colhido os depoimentos de duas funcionárias da companhia aérea francesa e teriam em mãos cópias de uma diretriz da empresa determinando que apenas homens trabalhassem na primeira classe sempre que Strauss-Kahn estivesse no avião.

"Recebi uma carta anônima de um suposto funcionário da Air France que descreve o comportamento de Strauss-Kahn durante os voos. Agora, estamos procurando pessoas que trabalham na empresa que estejam dispostas a falar", disse Thompson.

A Air France afirma que não foi contactada pelos advogados de Nafissatou. De acordo com o jornal Libération, o sindicato das aeromoças e dos auxiliares de voo da companhia disse que nunca foi informado de "nenhum comportamento inapropriado" de Strauss-Kahn, que permanece em Nova York aguardando julgamento. / AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.