Strauss-Kahn é indiciado e faz novo pedido de libertação

O ex-diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, foi indiciado hoje sob sete acusações de violência sexual contra uma camareira do hotel Sofitel de Manhattan, informaram os procuradores públicos de Nova York.

RENATO MARTINS, Agência Estado

19 de maio de 2011 | 16h22

O anúncio foi feito durante a audiência pública na qual o juiz Michael Obus, da Suprema Corte do Estado de Nova York, vai decidir se libera Strauss-Kahn sob fiança. Os advogados dele ofereceram uma fiança de US$ 1 milhão e propuseram que Strauss-Kahn aguarde julgamento confinado em um apartamento em Nova York, com monitoração eletrônica. Strauss-Kahn, foi preso no sábado, teve seu primeiro pedido de libertação sob fiança negado na segunda-feira. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Strauss-KahnFMIprisãoindiciamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.