Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Strauss-Kahn é libertado sem pagar fiança, diz jornal

O ex-diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI) Dominique Strauss-Kahn foi solto hoje sem pagar fiança, informou o jornal The Wall Street Journal. Em audiência mais cedo, promotores de Manhattan concordaram em encerrar a prisão domiciliar de Strauss-Kahn, após revelações que põem em dúvida a credibilidade da camareira do hotel que o acusou de violência sexual.

AE, Agência Estado

01 de julho de 2011 | 13h52

As acusações criminais contra ele, porém, não foram retiradas. A assistente de promotoria Joan Illuzzi-Orbon disse que os promotores concordaram com as mudanças nas condições para a fiança dele, por ter havido uma mudança na visão deles sobre a força das acusações contra Strauss-Kahn.

O ex-diretor-gerente do FMI foi acusado de crimes sexuais contra a camareira em uma suíte de um hotel Sofitel, de Nova York, em 14 de maio. Ele afirma ser inocente. Illuzzi-Orbon não disse, porém, que há planos para retirar as acusações no momento. Ela afirmou que as provas forenses confirmam que houve uma "conduta sexual" no quarto do hotel. A defesa de Strauss-Khan afirmou anteriormente que ocorreu apenas sexo consensual.

Em uma breve audiência, um juiz estadual aprovou a libertação de Strauss-Khan da prisão domiciliar. Além disso, ele também não será alvo de monitoramento eletrônico. Como parte do acordo, os promotores retiveram o passaporte dele. Um dos advogados do réu, Benjamin Brafman, disse que a audiência foi "o primeiro passo do que acreditamos que será a inocência completa".

Kenneth Thompson, um advogado da suposta vítima, defendeu vigorosamente sua cliente, falando a repórteres. Segundo ele, a camareira de 32 anos deu informações "voluntariamente" aos promotores, para esclarecer seu pedido de asilo e outras inconsistências da versão dela. "A única defesa que Dominique Strauss-Kahn tem é que o encontro sexual foi consensual. Isso é uma mentira", afirmou o advogado. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.