Strauss-Kahn e sua família embarcam para a França

O ex-diretor-gerente do FMI Dominique Strauss-Kahn deixou neste sábado a casa que havia alugado em Nova York e embarcou para Paris. É a primeira vez que Strauss-Kahn volta a França depois de acusado de estupro por uma camareira de hotel de Nova York.

AE, Agência Estado

03 Setembro 2011 | 18h25

Strauss-Kahn, sua mulher, Anne Sinclair, e sua filha, Camille, levavam meia dúzia de malas ao sair de casa e seguiram para o aeroporto John F. Kennedy, onde embarcaram para a França.

Em maio, o então diretor-gerente do FMI passou uma semana preso em Nova York, depois de Nafissatou Diallo, camareira do hotel Sofitel originária da Guiné, acusá-lo de estupro. Ele se viu forçado a renunciar o cargo, o que abriu caminho para que a então ministra das Finanças da França, Christine Lagarde, assumisse o comando do FMI.

Depois disso, os promotores públicos de Nova York desistiram de apresentar acusações criminais contra Strauss-Kahn, sob o argumento de que os depoimentos da acusadora eram contraditórios e não havia evidências físicas suficientes para provar que houve estupro. Strauss-Kahn, de 62 anos, nega todas as acusações.

Até sua prisão, ele era considerado o principal candidato à disputar a Presidência da França pelo Partido Socialista na eleição presidencial francesa de 2012, contra o conservador Nicolas Sarkozy, que deverá tentar a reeleição. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Strauss-KahnEUAFrança

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.