Strauss-Kahn estaria sob observação por risco de suicídio, dizem fontes

Diretor-gerente do FMI passou por avaliação de saúde mental, informam autoridades de Nova York

Assocaited Press

17 de maio de 2011 | 19h16

NOVA YORK - Autoridades de Nova York disseram nesta terça-feira, 17, que o diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, está em observação por risco de suicídio. O francês está preso em território americano acusado de crimes sexuais.

 

Veja também:

som Estadão ESPN: Escolha do sucessor não vai sair para já

som Estadão ESPN: Diretor do FMI declara que não é culpado

especial Políticos e seus escândalos sexuais

 

Norman Seabrook, chefe da união dos trabalhadores de centros de correção de Nova York, disse à Associated Press que Strauss-Kahn está sob observação na penitenciária de Rikers Island, para onde foi transferido na noite da segunda-feira. O presídio está situado em uma ilha que fica entre o Queens e o Bronx.

 

Uma outra fonte, que falou sob condição de anonimato devido à sensibilidade do assunto, confirmou a informação. Segundo ela, Strauss-Kahn estaria sendo monitorado por uma equipe da prisão depois de passar por um processo de avaliação de sua saúde mental. O funcionário disse que o francês, de 62 anos, não tentou causar danos ao próprio corpo.

 

DSK, como é conhecido em seu país, foi preso em Nova York no último final de semana, acusado de agressão sexual, cárcere privado e tentativa de estupro de uma camareira. Ele teve seu pedido de pagamento de fiança de US$ 1 milhão negado e, na segunda-feira, foi acusado de crimes sexuais por uma escritora francesa.

 

Leia mais:

linkSarkozy diz que seu partido não deve explorar o caso

linkConheça os possíveis sucessores ao FMI

linkAumenta pressão para que Strauss-Kahn deixe o FMI

linkFrancesa acusa Strauss-Kahn de abuso

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.