Straw diz que será difícil ir à guerra sem apoio popular

Será "muito difícil" lançar uma guerra contra o Iraque com a maioria do público se opondo a uma ação militar, reconheceu o secretário do Exterior britânico, Jack Straw, depois de uma imensa manifestação antiguerra ocorrida no sábado, em Londres.O primeiro-ministro Tony Blair tem apoiado firmemente a posição dos Estados Unidos em relação ao Iraque, e já enviou 40.000 soldados para a região do Golfo Pérsico, a fim de respaldar as forças dos EUA.Mas mais de um milhão de pessoas participaram sábado, em Londres, de um protesto contra uma possível ação militar contra o regime de Saddam Hussein. Organizadores estimaram o comparecimento em 2 milhões de pessoas. Para a polícia, foram 750.000 os manifestantes.Straw disse à BBC que a manifestação foi "muito, muito grande, provavelmente a maior que já vimos em nossa recente história democrática em Londres. Temos de levar em contra a opinião pública."Perguntado se a Grã-Bretanha poderia ir à guerra contra o Iraque mesmo com a oposição de uma grande parte da população, Straw respondeu que seria "na verdade, muito difícil nessas circunstâncias".Mais tarde, o vice-primeiro-ministro John Prescott minimizou a importância da imensa manifestação pela paz."Não acho que existe uma preocupação sobre a falta de apoio", disse, acrescentando que os governos algumas vezes têm de tomar decisões impopulares.Blair coloca em jogo seu futuro político ao apoiar os EUA contra o Iraque, que os dois países acusam de estar escondendo armas de destruição em massa. Seu apoio incondicional ao presidente dos EUA, George W. Bush, tem irritado muitos em seu Partido Trabalhista, de centro-esquerda.No sábado, Blair disse que retirar Saddam do poder seria um "ato de humanidade". Deixá-lo no poder, por outro lado, seria "desumano".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.