Straw nega que Grã-Bretanha tenha intenção de atacar o Irã

O secretário de Relações Exteriores da Grã-Bretanha, Jack Straw, descartou nesta segunda-feira (30) a possibilidade de o governo britânico participar de uma ação militar contra o Irã, que está sob pressão para que permita inspeções mais aprofundadas de suas instalações militares. Straw, que hoje encerra uma visita oficial de dois dias ao Irã disse à rádio BBC que o governo iraniano não pode ser comparado a seu vizinho Iraque em termos de sistema político ou perigo para a região, apesar de o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, acreditar que Teerã faça parte de um suposto "eixo do mal".Segundo o chanceler britânico, ninguém sabe ao certo se o Irã possui um programa de desenvolvimento de armas nucleares. Straw disse ainda que pediria ao presidente iraniano, Mohammad Khatami, autorização para que a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) promova inspeções mais aprofundadas nas instalações nucleares do país."O que estamos propondo, em conjunto com os membros da comunidade internacional, é que as autoridades iranianas assinem um protocolo adicional que permita inspeções mais detalhadas", explicou Straw à BBC. "Se eles não o fizerem, a primeira conseqüência será a ausência de progresso em outras questões", inclusive os planos de um acordo comercial entre Irã e União Européia (UE), disse Straw.No entanto, quando questionado sobre se a Grã-Bretanha atacaria militarmente o Irã em alguma circunstância, Straw negou enfaticamente qualquer possibilidade de que isso venha a acontecer.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.