Stroessner será enterrado nesta quinta-feira, em Brasília

O corpo do ditador do Paraguai, Alfredo Stroessner, será sepultado nesta quinta-feira, às 16 horas, no Cemitério Campo da Esperança, em Brasília, cidade onde viveu 17 anos de exílio. A decisão da família de enterrar o corpo temporariamente em Brasília foi divulgada há pouco pelo advogado paraguaio José Alberto Planás, que foi ministro de Obras Públicas durante a gestão de Gonzales Macchi. Segundo seu neto, o empresário e político Gustavo Domingues Stroessner, num período breve a família espera a transferência do corpo para o Paraguai, para o sepultamento definitivo.Conforme informou Domingues, a decisão da família não se deveu ao fato de que um dos filhos de Stroessner, o coronel da aeronáutica, Gustavo Stroessner, não poderia regressar a seu país porque há um mandado de prisão preventiva contra ele. De acordo com o neto do ex-ditador, a família espera anular o mais rápido possível a decisão judicial contra o coronel, que viveu durante 17 anos exilado assim como seu pai. Na versão do neto, a questão judicial nunca foi importante para a família porque foi "mal-feita, inventada e facilmente seria anulada".VelórioNa manhã desta quinta-feira estiveram presentes ao velório o empresário Henrique Noguez, que era um dos amigos mais próximos de Stroessner, o seu advogado Hirán Delgado Von Leppel e a empresária Marta Zaccarello. Até o momento não foi registrada a presença de nenhum brasileiro. Apenas o embaixador Paulo Tarso Flecha de Lima, que foi secretário-geral do Itamaraty, na época da derrubada do governo Stroessner enviou uma coroa de flores. Stroessner comandou o Paraguai durante 35 anos, desde o golpe de 1954. Deposto em 1989 refugiou-se no Brasil, onde viveu com extrema discrição em uma casa do Lago Sul, bairro nobre de Brasília.Esta matéria foi atualizada às 13h10

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.