EFE/Arduin Mauricio
EFE/Arduin Mauricio

Submarinistas estão mortos, diz ministro

Com esperança de que haja sobreviventes, parentes da tripulação pedem que as operações de resgate continuem

O Estado de S.Paulo

01 Dezembro 2017 | 21h03

BUENOS AIRES - O ministro da Defesa da Argentina, Oscar Aguad, afirmou nesta sexta-feira às famílias dos 44 tripulantes do submarino ARA San Juan que seus parentes estão mortos. De acordo com Aguad, “não há condições de haver vida” na embarcação, mas as buscas continuarão “até que todos os recursos sejam esgotados”.

O submarino desapareceu no dia 15, após sua tripulação relatar problemas nas baterias. Uma explosão foi detectada horas depois. A Marinha demorou a reconhecer que o submarino havia desaparecido. Depois, levou mais de uma semana para determinar que houve uma explosão. 

+ Argentina suspende buscas por sobreviventes de submarino

Aguad viajou nesta sexta-feira à Base Naval de Mar del Plata, onde a embarcação deveria ter chegado, para se reunir com os parentes dos tripulantes. Segundo um comunicado do Ministério da Defesa argentino, o titular da pasta se colocou à disposição das famílias, após a Marinha ter dado por encerrados os procedimentos de resgate da tripulação. 

Com esperança de que ainda haja sobreviventes no submarino perdido, os parentes da tripulação pediram que as operações de resgate continuem. No entanto, especialistas também afirmam que não há nenhuma chance de alguém estar vivo no submarino. 

“Exijo que o presidente Mauricio Macri reverta a decisão de abortar o resgate. Estamos abandonando (os tripulantes) e não posso ficar calado”, afirmou Luis Tagliapietra, pai do tenente Alejandro Damián Tagliapietra, de 27 anos, integrante da tripulação. / EFE e AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.