AFP PHOTO / EITAN ABRAMOVICH
AFP PHOTO / EITAN ABRAMOVICH

Submarino argentino relatou avaria antes de desaparecer no Atlântico

Segundo informações da Marinha do país sul-americano, embarcação que sumiu na quarta-feira recebeu ordem de retornar à base em Mar del Planta após relatar o problema; tentativas de contato via satélite não foram feitas pela tripulação

O Estado de S.Paulo

20 Novembro 2017 | 12h35
Atualizado 21 Novembro 2017 | 09h56

BUENOS AIRES - A Marinha argentina informou na tarde desta segunda-feira, 20, que o capitão do submarino ARA San Juan, que desapareceu na quarta-feira no Oceano Atlântico com 44 tripulantes, relatou avarias nas baterias em sua última comunicação com a base.

Primeira submarinista mulher da América do Sul estava a bordo do San Juan

“A embarcação saiu à superfície e comunicou essa avaria, por isso, o comando da Marinha lhe disse que mudasse sua rota e viesse a Mar del Plata”, afirmou Gabriel Galeazzi, comandante da base naval da cidade argentina, 400 km ao sul de Buenos Aires, onde o submarino deveria chegar nesta segunda.

+ Para lembrar: torpedo explodiu dentro do Kursk

O comandante do submarino informou em seu último contato um "curto-circuito que teria ocorrido nas baterias", explicou Galeazzi. Para a Marinha, no entanto, essa avaria não seria motivo para afetar, naquele momento, a capacidade de propulsão da embarcação. "Depois, foi informado em comunicação satelital - com o submarino submerso - que estavam sem novidades pessoais e continuavam navegando em imersão", disse.

Telefone

Pouco antes, a Marinha argentina informou que as tentativas de chamadas telefônicas via satélite detectadas no sábado atribuídas à  embarcação não vieram do submarino.

Brasil oferece ajuda à Argentina na busca de submarino desaparecido

“Recebemos oficialmente o relatório da empresa que investigou todos os sinais e explicou que as sete tentativas de comunicação do sábado não têm correspondência com o telefone satelital do submarino”, afirmou o porta-voz da Marinha Enrique Balbi, em entrevista coletiva em Buenos Aires.

As sete chamadas, que fizeram aumentar as expectativas de que a embarcação seria localizada, foram detectadas com a colaboração de uma empresa americana especializada em comunicação via satélite.

As buscas pelo submarino argentino "ARA San Juan", que perdeu contato com a base na semana passada, prosseguem nesta segunda-feira.

O "ARA San Juan" navegava entre o porto de Ushuaia e o Mar del Plata, 400 km ao sul de Buenos Aires, quando perdeu qualquer contato. Todos os navios na zona foram convocados para informar sobre qualquer visualização ou sinal de comunicação do submarino, assim como as bases do litoral.

Papa Francisco faz oração por tripulantes de submarino desaparecido na Argentina

ARA significa Armada da República Argentina e todos os navios da  Marinha de Guerra levam esse prefixo em seu nome.

A Argentina recebeu formalmente ofertas de ajuda por parte do Brasil, Chile, Uruguai, Peru, Estados Unidos, Reino Unido e África do Sul, segundo a Marinha do país.  / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.