AFP PHOTO / INDONESIA MILITARY
AFP PHOTO / INDONESIA MILITARY

Submarino na Indonésia: equipes encontram objeto que pode ser da embarcação

Equipes de resgate de vários países auxiliam nas buscas da embarcação, que perdeu contato durante exercícios militares no Mar de Bali, na quarta-feira

AFP, REUTERS E AP, O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2021 | 08h00

JACARTA – Aviões de resgate e navios que vasculham o mar ao norte de Bali, nesta sexta-feira, 23, podem ter encontrado sinais do submarino indonésio desaparecido com 53 tripulantes a bordo. As buscas pela embarcação atingiram uma fase crítica, devido ao fornecimento limitado de oxigênio a bordo, que segundo autoridades locais deve durar apenas até este sábado.

Embora nada conclusivo tenha sido encontrado, Yudo Margono, chefe do Estado-Maior da Marinha, disse que um item com "alta força magnética" a uma profundidade de 50 a 100 metros foi localizado. Não ficou claro se o objeto estava suspenso ou no fundo do mar.

Uma busca aérea também detectou um vazamento de óleo próximo ao local de mergulho do submarino, que, segundo a Marinha, pode indicar danos à embarcação ou ser um sinal da tripulação.

O submarino movido a diesel pode suportar uma profundidade de até 500 metros, além disso o mergulho pode ser fatal, segundo explicou um porta-voz da Marinha. O Mar de Bali, onde o contato com o KRI Nanggala-402 foi perdido, na quarta-feira, durante um exercício militar, pode atingir profundidades de mais de 1.500 metros.

O navio de 1.395 toneladas foi construído na Alemanha em 1977 e juntou-se à frota indonésia em 1981, de acordo com o Ministério da Defesa. O equipamento passou por uma reforma de dois anos na Coreia do Sul, concluída em 2012.

A Marinha avalia que pode ter ocorrido um apagão durante o mergulho estático, causando uma perda de controle e impedindo a realização de procedimentos de emergência.

“A principal prioridade é a segurança dos 53 tripulantes”, disse o presidente Joko Widodo, na noite de quinta-feira, pedindo um esforço total para encontrar a embarcação.

Submarino da Indonésia pode ficar sem oxigênio

Em uma luta contra o tempo, os navios da Marinha indonésia tentam localizar um submarino desaparecido com 53 pessoas a bordo que, se ainda estiverem vivas, poderiam ficar sem as reservas de oxigênio no sábado.

O submersível da Marinha indonésia, o KRI Nanggala 402, construído há 40 anos, participaria de manobras que incluíam o lançamento de torpedos.

"As reservas de oxigênio do submarino durante uma queda de energia são de 72 horas", informou à imprensa o comandante do Estado-Maior da Marinha da Indonésia, Yudo Margono.

Assim, estas reservas poderão esgotar-se no "sábado às 3 horas. "Espero que os encontremos antes", declarou.

Ajuda internacional

Vários países responderam aos pedidos de assistência da Indonésia, com a Austrália, Malásia, Índia, Cingapura e os Estados Unidos enviando navios ou aeronaves especializadas.

O Departamento de Defesa dos EUA está enviando "recursos aerotransportados" para ajudar nas buscas, disse o porta-voz do Pentágono, John Kirby, no Twitter.

Enquanto isso, dois navios australianos se dirigiam para a área de busca, incluindo um navio de apoio e uma fragata com capacidade de sonar, disse o Departamento de Defesa, em um comunicado.

A Indonésia tem procurado modernizar suas capacidades de defesa, mas alguns de seus equipamentos são antigos e ocorreram acidentes fatais nos últimos anos.

No passado, a Indonésia operou uma frota de 12 submarinos comprados da União Soviética para patrulhar as águas do extenso arquipélago.

Agora opera cinco - os dois submarinos Tipo 209 de fabricação alemã e três navios sul-coreanos mais novos.

Precedentes trágicos

A Indonésia não registrou incidentes graves relacionados com seus submersíveis, mas outros países sofreram acidentes deste tipo.

Uma das tragédias mais conhecidas ocorreu em 2000, quando o submarino nuclear russo "Kursk" afundou enquanto fazia manobras no Mar de Barents com 118 tripulantes a bordo.

Um dos torpedos explodiu, destruindo todo o depósito de munição. 23 marinheiros sobreviveram à explosão, mas morreram porque não foram resgatados a tempo.

Em 2017, o submarino da frota argentina "San Juan", com 44 tripulantes, desapareceu a cerca de 400 km da costa argentina. Uma explosão subaquática foi registrada perto de sua última posição. 

Em 2019, os restos do submarino Minerva, que naufragou em 1968 com 52 homens a bordo, foram encontrados no Mar Mediterrâneo. O submergível da Marinha francesa, que realizava manobras a trinta quilômetros da costa de Toulon (sudeste da França), afundou em quatro minutos e se rompeu no fundo do mar por motivos até agora desconhecidos. / AFP, REUTERS E AP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.