Submarino praticava operação de emergência

O acidente com o submarino nuclear USS Greeneville, que se chocou ontem com um navio que transportava estudantes japoneses, a 30 quilômetros a sudeste de Pearl Harbor, aconteceu quando a embarcação praticava uma manobra de emergência de acesso a superfície, de acordo com informações da Marinha norte-americana. Após o acidente, 26 pessoas conseguiram ser resgatadas. Nove passageiros do navio, entre eles quatro estudantes de 17 anos, dois professores e três marinheiros, ainda estão desaparecidos. Aviões e barcos norte-americanos prosseguem percorrendo as águas do Havaí em busca das vítimas do navio japonês, que pesava 499 toneladas e pertencia a escola de pesca de Uwajima, localidade situada na ilha japonesa de Shikoku."Em águas a 25 graus há grande chance de encontrarmos sobreviventes. Continuaremos procurando, apesar do risco de hipotermia?, declarou o porta-voz da Guarda Costeira Eric Hedaa. O submarino nuclear de ataque Greeneville chegou ontem à tarde a base de Pearl Harbor, perto de Honolulu. A Marinha dos EUA examinará o submarino, superficialmente danificado, e tentará determinar as causas do acidente interrogando os 130 membros da tripulação, revelou o porta-voz da força, capitão Kevin Winsing. De acordo com alguns especialistas, é possível que o pesqueiro estivesse com os motores desligados, o que aliado a pouca visibilidade, possibilitaria o acidente.Através de seu secretário de Estado, Colin Powell, o presidente dos EUA, George W. Bush, lamentou o acidente e pediu desculpas ao governo japonês. "Os norte-americanos pediram desculpas e explicaram que estão fazendo todo o possível para encontrar os desaparecidos", revelou o primeiro-ministro japonês, Yoshiro Mori.

Agencia Estado,

11 de fevereiro de 2001 | 02h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.