Substâncias estranhas encontradas no corpo de Milosevic

A imprensa holandesa informou na tarde deste Domingo que os médicos que fizeram a autópsia no corpo de Slobodan Milosevic encontraram substâncias estranhas que entraram no organismo do ex-presidente iugoslavo ao longo dos últimos meses. Segundo uma fonte no Tribunal Penal Internacional para a ex-Iugoslávia (TPII), teriam sido encontrados vestígios de um remédio para combater lepra e tuberculose. O assessor jurídico da família de Milosevic, Zdenko Tomanovic, reiterou hoje que o falecido ex- presidente iugoslavo lhe advertiu na última sexta-feira de que estavam tentando envenená-lo na prisão e que também o queriam "silenciar". Tomanovic declarou em entrevista coletiva em Haia que Milosevic enviou uma carta na sexta-feira à embaixada da Rússia na Holanda na qual pedia ajuda e afirmava que lhe estavam ministrando uma potente droga indicada para casos de lepra e tuberculose. Segundo a carta, essa substância foi encontrada em seu sangue em um exame feito em 12 de janeiro por um laboratório holandês, do qual tinha recebido os resultados em 7 de março. Em sua carta, Milosevic afirmou que jamais tinha tomado esses remédios por não padecer dessas doenças. O advogado sérvio não quis especular sobre quem tinha interesse em silenciar Milosevic, que estava sendo julgado desde fevereiro de 2002 acusado de 66 acusações de genocídio, crimes contra a humanidade e de guerra cometidos na Croácia, Bósnia e Kosovo. Morte Milosevic apareceu morto em sua cama na manhã deste sábado em sua cela do centro de detenção do TPII em Scheveningen (Haia), sem sinais aparentes de violência ou de que se tivesse se suicidado, segundo fontes do TPII. O presidente do TPII, o juiz Fausto Pocar, declarou hoje que perante a incapacidade dos médicos de determinar a causa da morte, tinha ordenado uma autópsia e uma investigação minuciosas.

Agencia Estado,

12 Março 2006 | 16h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.