Sucessão de crimes desnorteia polícia nos EUA

Um garoto de 13 anos foi gravemente ferido a tiros nesta segunda-feira quando seu tio o deixava na escola, renovando o terror na região de Washington, onde um franco-atirador matou seis pessoas na semana passada.Outro tiroteio ocorreu nesta segunda no distrito de Columbia estava sendo investigado. Horas mais tarde, exames realizados por peritos constataram que a bala que acertou o menino é do mesmo tipo utilizado pelo franco-atirador que vem atuando na região, informou Joe Riehl, da Agência de Álcool, Tabaco e Armas de Fogo dos Estados Unidos.Pais preocupados correram para retirar seus filhos da escola, e a polícia do vizinho condado de Montgomery, que persegue o franco-atirador, foi imediatamente ao local. O chefe de polícia do condado de Montgomery, Charles Moose, declarou no meio da tarde que um homem sentado num veículo em Washington também havia sido alvejado por tiros.A relação desse caso com os demais era desconhecida. Ele afirmou pensar que o homem tenha sido ferido, mas não morto. A localidade do tiroteio em Washington é próxima da fronteira de Prince George, o condado suburbano onde o garoto recebeu tiros logo depois das 8h locais desta segunda, em frente à Escola Secundária Benjamin Tasker, em Bowie.Sharon Healy havia acabado de enviar seu filho de 12 anos para a escola em sua bicicleta quando ouviu o tiro pouco depois das 8h da manhã na frente da Escola Secundária Benjamin Tasker. Ela disse que correu para a escola e trouxe seu filho de volta para casa. "Você pensa estar seguro, mas está tão seguro quanto ao seu próximo passo", comentou Healy.A vítima recebeu um único disparo no peito, informou Jacqueline D. Bowens, porta-voz do Hospital Infantil, em Washington. O menino foi submetido a cirurgia e estava em condições críticas, mas estáveis, acrescentou. Mais tarde, médicos disseram estar otimistas e acreditam que o garoto sobreviverá.O disparo ocorreu bem antes do início das aulas, e, portanto, houve poucas testemunhas, disse o chefe de polícia do condado Prince George, Gerald Wilson. Foi ouvido um tiro, e o menino curvou-se e disse ao tio que havia sido baleado, afirmou.Antes da conclusão da perícia, os investigadores tentaram determinar se o menino teve alguma disputa com alguém, disse Wilson. Na quarta-feira e quinta da semana passada, cinco pessoas foram mortas a tiros em plena luz do dia em lugares públicos no condado de Montgomery: dois, num posto de gasolina; um, do lado de fora de uma mercearia; outro, na frente de uma agência do correio, e o quinto, quando a vítima cortava grama numa loja de venda de carros. Uma sexta vítima foi morta numa esquina na última quinta-feira em Washington, e, na sexta-feira, uma mulher foi ferida a tiros num estacionamento na Virginia. Ela estava nesta segunda em condições satisfatórias.Todas as vítimas foram atingidas de longa distância. Não se tem notícias de testemunhas dos crimes. Testes promovidos pela Agência de Álcool, Tabaco e Armas de Fogo confirmaram que a mesma arma foi usada para matar pelo menos quatro das vítimas. A polícia e agentes do FBI tentam elaborar um perfil psicológico do assassino. Eles também intensificaram patrulhas nesta segunda, quando as pessoas retornavam ao trabalho e à escola.O porta-voz da Casa Branca, Ari Fleischer, informou que as autoridades federais estão participando das investigações. Segundo ele, não há evidência de que os disparos estejam relacionados a terrorismo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.