Tolga AKMEN / AFP
Tolga AKMEN / AFP

Sucessor de May será nomeado até 20 de julho, anuncia Partido Conservador

Interessados em liderar o país deverão ser indicados por ao menos dois legisladores conservadores; processo terá série de votações até reduzir candidatos a, ao menos, dois nomes, que serão submetidos aos mais de 100 mil filiados

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de maio de 2019 | 10h25
Atualizado 24 de maio de 2019 | 16h08

LONDRES - O sucessor da primeira-ministra britânica, Theresa May, será nomeado antes do início do recesso de verão no Parlamento, previsto para 20 de julho, anunciou nesta sexta-feira, 24, o Partido Conservador, após o anúncio da renúncia de sua líder.

Os candidatos finalistas serão determinados no fim de junho, para que os membros do partido possam "reunir-se com eles, questioná-los e emitir seus votos a tempo para que o resultado seja anunciado antes do recesso parlamentar", anunciou o partido em um comunicado.

O processo, que será supervisionado pelo Comitê 1922 - grupo de políticos seniores e de grande influência no partido -, começará em duas semanas. Os candidatos que desejarem se concorrer à liderança dos tories devem ser indicados por ao menos dois legisladores conservadores. 

O partido disse esperar que as indicações sejam encerradas até 14 de junho. Atualmente, muitos políticos parecem interessados em substituir May, o que deve criar um amplo campo de candidatos.

Para Entender

Brexit: guia sobre a saída do Reino Unido da União Europeia

Entenda a origem do processo de separação entre Londres e Bruxelas, saiba o que já foi negociado entre as partes e conheça quais são os próximos passos previstos para o processo.

Até o fim de junho, os conservadores farão várias rodadas de votações para reduzir o número de candidatos. Eles terão sempre que escolher um único nome em uma votação secreta. A pessoa que tiver menos votos a cada rodada é eliminada.

Nas outras vezes em que esse mecanismo foi usado, os legisladores repetiram esse tipo de votação até que restasse apenas dois nome. Dessa vez, no entanto, os Conservadores não especificaram quantos candidatos chegarão ao fim do processo.

Na última fase da sucessão, os candidatos serão submetidos a uma votação mais ampla, na qual todos os filiados do Partido Conservador poderão participar - em março de 2018, eram 124 mil membros -, com o vencedor se tornando o novo líder do partido e, consequentemente, premiê do Reino Unido.

Quem for escolhido para substituir Theresa May será o 14º chefe de Governo sob o reinado de Elizabeth II, de 93 anos e 67 de coroação. A monarca viu passar pelo número 10 de Downing Street nomes como Winston Churchill, Margaret Thatcher, Tony Blair, Gordon Brown e David Cameron.

Eleição geral

O líder da oposição no Reino Unido, o trabalhista Jeremy Corbyn, afirmou nesta sexta-feira que o sucessor de May "deve deixar o povo decidir sobre o futuro do país" através da imediata convocação de eleições gerais.

Na sua conta do Twitter, Corbyn afirmou que May "aceitou agora o que o país está sabendo há meses: não pode governar nem liderar o seu dividido e desintegrado partido".

"As tórridas injustiças que prometeu realizar há três anos estão inclusive mais claras hoje", comentou o trabalhista. "O Partido Conservador falhou com o país sobre o 'Brexit' e é incapaz de melhorar a vida das pessoas ou lidar com suas necessidades mais urgentes", completou.

Além disso, o opositor ressaltou que "o Parlamento está bloqueado e os conservadores não dão soluções aos outros desafios enfrentados pelo país". / AFP, EFE e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.