Sudanesa presa por usar calças é libertada

Uma sudanesa que foi presa por usar calças tidas como indecentes foi libertada nesta terça-feira após o sindicato de jornalistas do Sudão pagar uma multa de 200 dólares em nome dela, informou o diretor do sindicato.

ANDREW HEAVENS, REUTERS

08 de setembro de 2009 | 12h30

Lubna Hussein foi condenada na segunda-feira por indecência, num caso que atraiu a condenação internacional. Ela foi sentenciada a pagar uma multa ou a passar um mês na cadeia, mas foi poupada da pena de 40 chicotadas.

Presa numa festa em Cartum em julho, juntamente com 12 outras mulheres, Hussein tinha dito à Reuters depois da leitura do veredicto que se recusaria a pagar a multa, optando em lugar disso por cumprir a pena de prisão, para contestar a legitimidade da lei.

"Eles acabaram de me procurar na prisão, alguns minutos atrás, e me disseram para ir embora. Não faço ideia do porquê. Não estou contente. Eu disse a minha família e meus amigos para não pagarem a multa," disse ela à Reuters. "Mas fui libertada."

Ex-repórter, Hussein estava trabalhando para as Nações Unidas quando foi presa. Ela disse acreditar que houve pressões políticas para sua libertação e para pôr fim a um caso que ganhou destaque e passou a ser visto como teste das normas de decência vigentes no Sudão.

Tudo o que sabemos sobre:
SUDAOPRESACALAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.