Sudão acusa Chade de 'ato de guerra' e ameaça resposta militar

Governo sudanês afirma que aviões chadianos atacaram rebeldes em seu território; incidente deixou feridos

Agências internacionais,

15 de maio de 2009 | 16h56

O Sudão acusou o Chade nesta sexta-feira, 15, de organizar ataques aéreos contra seu território, onde se encontram rebeldes chadianos, e advertiu sobre uma possível resposta militar. "Dois aviões chadianos realizaram ataques aéreos em zonas situadas a 60 quilômetros dentro do Sudão", afirmou em comunicado o porta-voz do ministério das Relações Exteriores, Ali Sadiq, alertando que o Exército sudanês está "pronto para responder e está esperando apenas instruções do governo."

 

Os bombardeios foram classificados como "ato de guerra". A acusação aparece uma semana depois do Chade acusar o Sudão de enviar forças rebeldes para a fronteira, aumentando os temores de um possível rompimento de um recente acordo de paz. O governo do Chade ainda não respondeu as declarações.

 

"Eles bombardearam e há feridos", acrescentou o porta-voz. "A liderança sudanesa e o Exército estão analisando a situação. O Sudão tem o direito de defender seu território", concluiu. Os dois países costumam trocar acusações sobre apoio a insurgentes que tentam derrubar seus respectivos governos. O ministério sudanês também convocou o embaixador do Chade para explicações sobre os ataques.

 

Os dois países reataram suas conturbadas relações diplomáticas em novembro do ano passado, após ter suspendido os laços em maio do mesmo ano. Cartum acusava o presidente do Chade, Idriss Deby, de envolvimento em um ataque realizado por rebeldes de Darfur na capital sudanesa, em 11 de maio de 2008.

Tudo o que sabemos sobre:
SudãoChade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.