Sudão anuncia trégua para negociações sobre Darfur

Governo declara cessar-fogo imediato na região para discutir acordo e encerra conflito de mais de 4 anos

BBC Brasil,

27 de outubro de 2007 | 17h44

O governo do Sudão anunciou um cessar-fogo unilateral em Darfur coincidindo com o início das negociações de paz para a região, que acontecem neste sábado, 27 na Líbia. Dois dos principais grupos rebeldes estão boicotando as negociações promovidas pela ONU porque outras facções, menores, foram convidadas a participar. O JEM e a facção Unidade, do SLA, representam a maior ameaça militar ao governo do Sudão e Nur possui a maioria do apoio popular entre a população da região. Analistas dizem que, sem a representação das duas organizações nas negociações da Líbia, havia pouca chance de um acordo de paz. Em uma declaração sobre as negociações, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, convocou, de Nova York, os insurgentes a comparecerem, afirmando que perderiam muito caso continuassem afastados. No mês passado, o presidente sudanês, Omar al-Bashir, anunciou que estava preparado para declarar cessar-fogo durante as negociações. Mas tréguas anunciadas no passado não foram capazes de pôr fim à violência. O enviado da União Africana para Darfur abriu o encontro em Sirte afirmando que as negociações são uma nova oportunidade para a região. "Hoje é um novo marco em nossa busca coletiva pela paz em Darfur", disse Salim Ahmed Salim."A viagem tem sido longa, árdua e extremamente difícil. E os resultados... tem sido mistos. Mas hoje estamos na cidade histórica de Sirte para mais um novo começo." Os confrontos em Darfur começaram em 2003, quando rebeldes atacaram alvos do governo. O governo do Sudão então lançou uma campanha militar e policial em Darfur. Um acordo de paz fracassou em 2006 porque foi assinado pelo governo e por apenas um grupo rebelde. Estima-se que cerca de 200 mil pessoas já morreram e 2 milhões tiveram que deixar suas casas por causa do conflito na região.

Tudo o que sabemos sobre:
SudãoDarfur

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.