Sudão bombardeia cidade do Sudão do Sul

Aviões sudaneses bombardearam uma importante cidade do Sudão do Sul nesta segunda-feira, atingindo um mercado, matando duas pessoas e deixando pelo menos dez feridas. Tropas sudanesas realizaram disparos contra as aeronaves.

AE, Agência Estado

23 de abril de 2012 | 11h35

As bombas foram lançadas de dois jatos MiG 29 e atingiram várias barracas de um mercado onde alimentos e outros produtos eram vendidos. O corpo queimado de um menino foi encontrado na parte de trás do mercado.

Caminhões lotados com soldados sul-sudaneses foram para a direção onde as bombas caíram e começaram a disparar contra os jatos sudaneses. "O bombardeio representa uma declaração de guerra", disse o major-general Mac Paul, vice-diretor de Inteligência Militar do Sudão do Sul.

Forças armadas sudanesas lançaram um ataque no domingo numa região a nove quilômetros dentro da fronteira sul-sudanesa.

Na semana passada, o Sudão do Sul anunciou que estava retirando suas tropas da disputada cidade de Heglig para evitar uma guerra entre os dois vizinhos, mas as tensões permanecem altas. O Sudão do Sul havia invadido a cidade produtora de petróleo no início do mês, afirmando que ela pertence ao Sul.

Mac Paul disse que dois MiG 29, pertencentes do Sudão, lançaram três bombas nesta segunda-feira, duas das quais caíram perto de uma ponte que liga Bentiu, a capital do Estado Unidade a cidade de Rubkona.

A comunidade internacional pede o fim dos confrontos na fronteira entre os dois países, assim como a presença sul-sudanesa em Heglig.

Nesta segunda-feira, os Estados Unidos disseram que "condenam fortemente" o ataque militar sudanês contra o Sudão do Sul, realizado no domingo, e pediu a imediata retiradas de todas as milícias armadas sudanesas do Sudão do Sul.

"Nós saudamos a retirada sul-sudanesa de Heglig e pedimos que o Sudão do Sul conclua a total retirada de suas forças armadas enviadas para a fronteira", diz um comunicado.

A União Europeia (UE) pediu que os dois países encerrem o conflito armado e voltem à mesa de negociação. Comunicado da UE, divulgado nesta segunda-feira, saúda a retiradas das tropas sul-sudanesas de Heglig. O documento pede que o Sudão não ataque as forças em retirada e interrompa os ataques aéreos contra o Sudão do Sul.

As negociações entre os dois países sobre questões de fronteira e o compartilhamento da receita proveniente da exploração de petróleo, que eram mediadas pela União Africana, foram interrompidas no início do mês, na Etiópia. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
SudãoSudão do Sulconflito

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.