Sudão do Sul oferece acordo bilionário em disputa com Cartum

Divisão do país gerou tensões por conta da região de Abyei, polo petrolífero da região

Reuters

18 de novembro de 2011 | 20h21

JUBA - O Sudão do Sul ofereceu "bilhões de dólares" ao Sudão para encerrar disputas bilaterais que incluem a posse da região petrolífera de Abyei, disse uma autoridade de alto escalão na sexta-feira, 18.

 

O Sudão do Sul se tornou independente do Sudão em julho, refletindo o resultado de um referendo que encerrou definitivamente décadas de guerra civil. O novo país ficou com cerca de três quartos da produção petrolífera do antigo Sudão, que era de 500 mil barris diários.

A secessão deixou uma longa lista de pendências - incluindo a posse de Abyei, a partilha dos dividendos petrolíferos e de outros patrimônios, e como acabar com a violência na região da fronteira. O Sudão enfrenta atualmente uma grave crise econômica e já pediu a outros países árabes que prestem ajuda para compensar a perda dos dividendos petrolíferos.

Mediadores da União Africana esperam que representantes dos dois países se reúnam na semana que vem na Etiópia, retomando um diálogo abandonado em meados deste ano sobre quanto o Sudão do Sul, que não tem acesso ao mar, deveria pagar ao Sudão para usar suas instalações portuárias.

Além da partilha do petróleo, a posse de Abyei é um dos maiores motivos de atritos entre os dois Sudões. Os militares do norte tomaram a região em maio, e dizem que ela só será devolvida caso a população assim solicite num referendo. A votação estava prevista no acordo de paz norte-sul de 2005, mas foi repetidamente adiada.

O negociador-chefe do Sudão do Sul, Pagan Amum, disse que o governo de Juba apresentou a Cartum e à União Africana uma "proposta de pacote" para resolver questões relacionadas a Abyei, petróleo, assistência financeira, fronteiras e segurança.

"Apresentamos uma proposta muito razoável e lógica, na qual estamos preparados para ajudar o norte e lhes dar bilhões de dólares", disse Amum a jornalistas.

Tudo o que sabemos sobre:
SudãoSudão do SulacordoÁfricaAbyei

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.