Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Sudão está próximo de aceitar tropas de paz, diz embaixador

O embaixador do Sudão nos Estados Unidos, John Lueth Ukee, disse nesta terça-feira, 27, que apenas questões secundárias impedem que o governo de Cartum aceite o envio de uma missão de paz com 22 mil soldados das Nações Unidas para conter a violência em Darfur, no oeste do país.Mais de 200 mil pessoas já morreram nos quatro anos da guerra civil na região, e cerca de 2,5 milhões vivem em campos de refugiados.O comentário contrasta com o conteúdo de uma carta do presidente Omar al-Bashir enviada ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, no início do mês, que rejeitava o envio de tropas de paz a Darfur. Ukee explicou, entretanto, que seu otimismo sobre a aceitação de forças da ONU deve-se a recentes discussões com importantes funcionários do governo de Cartum. "Os ministros disseram que há algumas questões sobre as quais teremos que concordar e que deverão ser resolvidas nos próximos dias", disse ele.A carta de Bashir a Ban preocupou a administração de George W. Bush, que fez do envio de tropas da ONU a Darfur a peça central de sua política externa para o Sudão. A carta fez com que o governo dos EUA cogitasse impor novas sanções econômicas contra o país africano.Sob o plano da ONU, o envio de tropas de paz em larga escala seria lançado após uma fase preparatória inicial. O embaixador afirmou que o governo do país não se posicionou contra esse estágio inicial. Ele destacou, porém, que a ineficiência da ONU impediu o avanço para uma nova etapa.A ONU e os EUA afirmam que o maior problema na resolução dos conflitos em Darfur tem sido, além da resistência do governo e do Exército, o pequeno número de forças das Nações Unidas para combater a guerra civil.Ukee culpa os rebeldes contrários ao governo de Cartum pela ausência de uma paz permanente em mais de quatro anos de guerra civil no Sudão. "Cada dia há um novo grupo", afirmou, referindo-se ao grande número de facções formadas pelos rebeldes, e à conseqüente dificuldade em se estabelecer negociações. "Assim nenhuma solução pode ser tomada."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.