Sudão expulsa delegação de organização norueguesa

As autoridades sudanesas decidiram neste domingo, 19, expulsar a delegação da organização humanitária norueguesa Norwegian Refugee Council (NRC) de Darfur, no oeste do Sudão, após acusá-la de dar "informações falsas" sobre a situação nesta região. O governador interino do sul de Darfur, Farah Mustafa, afirmou aos jornalistas que a decisão de dar um prazo de 24 horas para que a delegação da NRC abandone a região foi tomada depois que a segurança sudanesa obteve um relatório preparado pela organização sobre 80 casos de violação de mulheres registrados no acampamento de refugiados de Kalma. Segundo o funcionário sudanês, um comitê de investigação composto por membros da União Africana, do governo e de organizações internacionais provou que não se registrou nenhum caso de violação no citado acampamento, localizado no sul de Darfur. Mustafa insistiu que seu governo considera este assunto "uma falsificação que serve uma agenda estrangeira" e assinalou que a organização "trabalhava sempre contra o domínio do Estado e instigava os deslocados contra a volta voluntária" a seus domicílios. Explicou, além disso, que o governo de Cartum já interrompeu três vezes as funções da organização norueguesa em Darfur por suas atividades "hostis e sua agenda não humanitária". O conflito de Darfur explodiu em fevereiro de 2003 quando dois movimentos rebeldes alçaram armas por causa da pobreza e marginalização na área e pelo controle dos recursos naturais. Desde então, cerca de 200 mil pessoas morreram e outras dois milhões se viram obrigadas a alojar-se em acampamentos de refugiados no Sudão e no Chade.

Agencia Estado,

19 Novembro 2006 | 16h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.