Sudão localiza seqüestradores de turistas capturados no Egito

Cinco turistas alemães, cinco italianos e um romeno foram levados durante safári no Deserto do Saara

Agências internacionais,

23 de setembro de 2008 | 13h02

As autoridades sudanesas afirmaram nesta terça-feira, 23, que localizaram onde estão as 19 pessoas seqüestradas na sexta-feira no sul do Egito e seus seqüestradores, em território sudanês. O diretor de Protocolo do Ministério de Assuntos Exteriores sudanês, Ali Youssef, disse em entrevista coletiva, em Cartum, que a zona fica a cerca de 27 quilômetros da fronteira com o Egito e que os "seqüestradores são egípcios". Os reféns estrangeiros são cinco turistas alemães, cinco italianos e um romeno, que visitavam uma área remota do sudoeste do Egito próxima ao limite fronteiriço com o Sudão e a Líbia. Também foram capturados quatro motoristas, dois guias, o dono de uma agência de turismo e um agente de segurança, todos eles de nacionalidade egípcia. "Estão sendo realizadas negociações para a libertação dos reféns, com a ajuda das autoridades sudanesas", acrescentou o alto funcionário. Segundo Youssef, uma equipe de negociadores egípcios chegou ao Sudão para acompanhar as conversas. Segundo fontes oficiais de Cartum, o governo sudanês permitiu na segunda a entrada de aeronaves egípcias em seu espaço, após o pedido das autoridades do Cairo. Os vôos de aviões aconteceram novamente nesta terça, de acordo com as mesmas fontes. Além disso, o corpo de segurança sudanês entrou em alerta nas zonas do norte do país, perto da fronteira com o Egito, para ajudar na busca dos reféns e na captura dos seqüestradores, caso tenham entrado no território.Nos últimos anos, houve poucos ataques contra turistas no Egito. No entanto, Gilf al-Kebir vem se tornando nos últimos meses uma região perigosa para estrangeiros, segundo a rede britânica BBC. Em fevereiro, ladrões ameaçaram turistas com bombas e roubaram três veículos do grupo que visitava a reserva.

Tudo o que sabemos sobre:
SudãoEgito

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.