Sudão quer criar cidades com formato de animais e frutas

Projeto de US$ 10 bi reflete otimismo em região sul do país, que após referendo em 2011 poderá tornar-se um Estado independente.

Mary Harper, BBC

19 de agosto de 2010 | 09h30

As autoridades na região sul do Sudão anunciaram um plano avaliado em torno de US$ 10 bilhões para a reconstrução de várias cidades com formatos de animais e frutas.

Projetos elaborados detalhando como serão as cidades já foram desenhados.

A capital regional, Juba, será reconstruída em outro local e terá o formato de um rinoceronte.

Wau, capital do Estado de Bahr el-Ghazal, no oeste do país, terá a forma de uma girafa.

A população sul-sudanesa deverá votar, em um referendo a ser realizado no próximo ano, se deseja ou não a independência da região sul do Sudão.Em Juba, o escritório do presidente regional será situado no ponto onde ficaria o olho do rinoceronte.

Em Wau, a estação de tratamento do esgoto da cidade está situada, apropriadamente, sob a cauda da girafa.

Há relatos de que a cidade de Yambio terá o formato de um abacaxi.

A escolha dos formatos não é totalmente aleatórea - eles correspondem aos símbolos que aparecem nas bandeiras dos estados do sul do Sudão.

Mas não está claro de que forma as autoridades pretendem arrecadar os US$ 10 bilhões necessários para tornar esse plano uma realidade.

Elas dizem que estão conversando com investidores, mas tudo é ainda um pouco vago.

Embora exista petróleo em abundância no sul do Sudão, a população é extremamente pobre.

Segundo a ONU, mais de 90% do povo da região sobrevive com menos de US$ 1 por dia.

Os planos para as novas cidades refletem, talvez, o otimismo em relação a um possível Sudão do Sul independente.

Resta saber se deixarão, ou não, a prancheta do arquiteto para se tornar realidade um dia.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.